Notícias


8 de janeiro de 2017 às 08h01

Pão de Queijo Nosso de Cada Dia

A crônica de Leonardo Lisbôa

Leonardo Lisbôa

Pão de queijo como lanche está bom demais!

 

Espera lá! Se eu quero falar das coisas de Minas, o melhor seria começar a crônica com “Uai, tá bãodimais”.

 

Uma coisa puxa outra e me lembrei daquela prima que veio para a cidade aprender o corte e costura centesimal com minha irmã. Em meu ouvido infantil de caipira urbano estranhava a sua fala de caipira brejeira – permitam-me o reducionismo, é só para diferenciar uma coisa de outra. Ela dizia quando entregava algum objeto a alguém de casa: “istá”querendo dizer “aqui está!”

Mas esta volta toda é para falar de duas cenas urbanas testemunhada em uma cidade mineira nestes primeiros dias do novo ano.

 

Saí do pilates – ao chegar para lá da meia idade sente-se a necessidade de esticar aquilo que a vida fez encolher senão encolhe-se definitivamente para sempre – resolvi mudar o itinerário para ver o horário de coletivo para a piscina do clube esportivo. Fui andando devagar e apreciando os novos estabelecimentos comerciais que se abriram nos últimos 15 anos onde havia só residências luxuosas com a existência até de um castelinho do conde ítalo.

 

Olhava as tantas mercadorias expostas e prestações de serviços ofertadas por aquelas lojas. Quando então se percebia que havia duas jovens mulheres conversando paradas às costas. Dialogavam-se ao seu modo de comadre:

- Uai, agora nóis tá morando lá no sítio...

-Ué, é mesmo! O que ocêis tão produzindo lá?

- Nóis tem uma vaca...

- E ela dá leite?

- Dá!

 

E este jeito lacônico, brejeiro atiçou minhas origens e jeito de mineiro. Senti-me em casa como se ouvisse a voz de familiares lá da fazenda que deu origem a toda uma família caipira. Não eram tão estranhas assim. Poderiam ter sido duas primas com seus cabelos presos e suas roupas brejeiras. Senti-me em casa e com uma felicidade ingênua e bairrista de identificação de iguais. E assim segui o caminho...

 

Cheguei ao ponto dos coletivos. Havia muitos populachos de todo nível social.

 

À frente do ponto coletivo novos prédios com novos estabelecimentos comerciais. A mente começou a devanear no antes e depois daquele espaço geográfico.

 

Nisto o pensamento foi interrompidopor uma senhora que queria informações sobre o coletivo que a levaria ao hospital regional. E aí começou os “Causos”:

Ela ia lá pegar as chapas (raios-X, abreugrafia) da nora que estava doente. Os filhos e os genros não podiam porque estavam nas estufas: o calor provocou o amadurecimento rápido demais dos morangos, amoras, lichias, pimentões, tomates... e as noras estavam preparando o angu, couve, linguiças e quitandas para os trabalhadores, lavando roupa e arrumando a casa. E só ela podia vir à cidade para esta missão.

 

Nisto o coletivo da camponesa chegou e eu segui meu caminho. A conclusão foi: “Isto é bãodimais como pão de queijoque só Minas faz!”

 

É tão bom que só um mineirão como eu para sair da academia nas primeiras horas nesta manhã de verão passar na lanchonete e pedir, para se refrescar, um copo grande de leite gelado e um pão de queijo quentinho feito na hora.

 

O título desta crônica bem podia ser em minerês: "pandiqueje".

 

Leonardo Lisbôa

Barbacena, 04/01/2017.

 

_ POETAR_
https://www.facebook.com/PoetarPoesiaArte/

 
 
 
ESCREVA PARA O AUTOR:     
conversandocomoautor@gmail.com

 

NOTA DA REDAÇÃO: Leonardo Lisbôa é professor da rede pública de ensino de Minas Gerais. Fez sua especialização em História na UFJF e seu mestrado em psicopedagogia na Universidade de Havana, Cuba. Publica textos também no sítio www.recantodasletras.com.br onde mantém duas escrivaninhas (Perfis): o primeiro utilizando o próprio nome 'Leonardo Lisbôa' e o segundo o de 'Poesia na Adega'.  Registro no CNPq: http://lattes.cnpq.br/0006521238764228